O negro é lindo no cinema Blaxplotation

Anos 1960: construção do Muro de Berlim, Guerra do Vietnã, corrida espacial, Woodstock! Esses eram alguns dos assuntos que chamavam a atenção das pessoas ao redor do mundo. Eram tempos de mudanças, a contracultura se fortalecia, as normas vigentes eram questionadas. No grande império americano, as reações aos acontecimentos eram políticas, sociais e estéticas.

Ao se falar de arte, especificamente de cinema, um panorama do período aponta que Hollywood estava falindo. O cinema épico está acabando, os musicais não são mais uma fonte segura de lucro, é um tempo de crise para o velho modo de fazer cinema. Mas em meio a esses dilemas surgem obras inflamadas pelos aspectos sociais vigentes. 

In the Heat of the Night (1967) directed by Norman Jewison • Reviews, film  + cast • Letterboxd
No Calor da Noite (1967)

O mundo muda e o cinema também

O sexo e a violência antes censurados pelo Código Hays (Motion Picture Production Code) passam a ser usados de maneira mais livre nas obras da época. Filmes da Nova Hollywood como Perdidos na Noite (1969) que abordam a prostituição masculina ou Bonnie e Clyde – Uma Rajada de Balas (1967) provocam assombro em alguns, mas despertam a atenção de outros justamente por seu conteúdo. 

Em 1967, Norman Jewinson dirige No Calor da Noite, um thriller policial no qual o protagonista, Sidney Poitier, investiga um assassinato em uma cidade provinciana e racista, no Mississipi. No mesmo ano, Poitier vive o genro de Spencer Tracy em Adivinhe Quem Vem Para Jantar.

Certamente a maioria da população negra vibrava com um representante de sua etnia enfrentando o racismo nas telas. Porém não podemos esquecer que estamos falando de Hollywood e que mesmo com Sidney em cena os roteiros o mantém por tempos representando o negro bondoso, aceitável para o público branco.

Watermelon Man streaming: where to watch online?
A Noite em Que o Sol Brilhou (1970)

O olhar do Outro x o Meu olhar: o negro como sujeito

As vitórias do Movimento de Direito Civis dos Negros podem ser vistos como responsáveis por essa ruptura com a imagem degradante do povo preto. Assim iniciou o período no qual o cinema estadunidense ficou marcado por uma série de produções encabeçadas por nomes que são lembrados até hoje como grandes representantes do povo afro-americano, o Blaxploitation. 

Como Bell Hooks aponta em O olhar opositivo (1992), o olhar do Outro, o branco, distancia o espectador negro da imagem que é apresentada. Esse espectador afro-americano diante do despertar racial que acontece em seu entorno exerce sua crítica sendo que essa já era recorrente. Bell conta que:

No lar sulino da minha família negra e de classe trabalhadora, localizado em um bairro segregado racialmente, assistir à televisão era uma forma de desenvolver o senso de espectoralidade crítica. […] Os olhares negros, como foram constituídos no contexto dos movimentos sociais para a insurreição racial, eram olhares interrogativos.

Em 1970, Melvin Van Peebles dirigiu A Noite Em Que o Sol Brilhou (1970), no qual um homem branco um dia acorda e descobre que virou negro. A ideia inicial era que o ator branco fizesse blackface nas partes em que interpretasse o negro, mas Melvin convenceu a Columbia Pictures a usar um ator negro com o rosto pintado de branco, na primeira parte do filme. O resultado foi uma boa aceitação do público e da produtora, além do lucro. 

He Paid the Cost to Be the Boss! Blaxploitation Thursdays: Black Caesar -  Slog - The Stranger
O Chefão de Nova Iorque (1973)

As produtoras estavam diante de uma mudança que culminou na procura por corpos negros nas telas de cinema, e também da TV. O resultado foi essa onda de filmes protagonizados majoritariamente por afro-americanos, passada em bairros e locais nos quais essas pessoas moravam, que exaltavam a (r)existência negra.  

Ao explorar a origem do nome Blaxploitation percebemos que essa alcunha foi dada de maneira crítica. A NAACP (National Association of the Advancement of Coloured People) é o grupo indicado como criador do termo ao unir as palavras black (preto) e exploitation (exploração). O que ela pretendia era apontar que aquele tipo de produção estava explorando a população negra e sua história.

É comum ver e ler entrevistas nas quais o ator Fred Williamson (O Chefão de Nova Iorque, 1973) reforça que o termo Blaxploitation não quer dizer nada ofensivo para ele. Se os atores e realizadores negros estavam empregados, o público se via na tela e estava sendo entretido e, o personagem negro podia sair vivo de uma cena de tiros ou bater em um branco sem retaliação, não existia ali nenhuma exploração. Antes desse período, um ator ou atriz negro em Hollywood tinha dificuldades em se sustentar apenas com esse trabalho.

Desta forma o Blaxploitation produziu inúmeros filmes, de variados gêneros, entre os anos 1970 e 1978.

Cotton Comes to Harlem Full Movie - Download Torrent YIFY - YTSMovies
Rififi no Harlem (1970)

Rififi no Harlem, o primeiro blaxploitation 

Com a aceitação do público a atores negros nas telas, como apontamos no caso de A Noite Em Que o Sol Brilhou, o mercado se movimentou para lucrar com essa nova demanda. O próprio Melvin caiu nas graças da Columbia, mas recusou a oferta para trabalhar em outras obras e mergulhou em seu projeto pessoal, o filme lançado em 1971, Sweet Sweetback’s Baadasssss Song. Revolucionário, o longa contava a história de um fora da lei, negro, que sobrevive no final. 

Entretanto, nosso foco se volta agora para a obra fundadora do Blaxploitation. No ano de 1970 o diretor Ossie Davis convence a MGM a produzir um filme baseado no romance de Chester Himes. Assim estreia Rififi no Harlem (1970), marco do início do movimento. Rififi é um filme com fundo político que aborda o movimento back to Africa e reage contra a opressão sofrida pelos afro-americanos.

Observando vários aspectos do filme podemos ficar confusos com a dualidade existente no protagonista, o reverendo Dek O’Malley (Calvin Lockhart), um malandro que ludibria a comunidade em que cresceu. O que se espera é que o protagonista do filme seja um herói e não um enganador de comportamento questionável.

Essa característica comum em boa parte dos personagens centrais dos filmes Blaxploitations era uma pedra no sapato da NAACP. A organização apontava o quanto essa imagem poderia ser nociva para as gerações mais novas. Esse perfil anti-heróico não era uma novidade. O cinema era cheio de justiceiros como os personagens de Charles Bronson, em Desejo de Matar (1974), ou o Loirinho de Clint Eastwood, em Três Homens em Conflito (1968). Obviamente são personagens que matam em prol de “algo maior”. Mas ainda que seu caráter fosse questionável existia uma luz jogada sobre todas as áreas cinzentas que compõem esse ser humano único, moldado pelos percalços encontrados na vida. 

Turner Classic Movies gets spooky this season - Haunted MTL
Blacula (1972)

Com personagens negros isso não existia, ou se era bom, ou mau. Sem meios termos. Ver em cena essa gama de personagens enganadores como Dek, vingativos como Coffy, atormentados por uma maldição como Blacula, demonstra que não era apenas a imagem que estava sendo buscada, mas também a possibilidade de ser alguém autônomo e complexo. 

As personagens desses filmes eram movidas por um mesmo ideal, destruir O Homem (The Man), esse sistema opressor que mantinha a população negra na pobreza, dependente de benefícios, sem acesso à educação e viciada em drogas. Precisamos entender que esse Homem não é o sujeito branco individual, mas um sistema que mantém a população em inércia fazendo com que ela se movimente e se molde de acordo com a sua necessidade. Estamos falando de instituições que determinam como se portar, como a Igreja, a Polícia, os governos, a Mídia e etc; lugares de privilégios objetivos e subjetivos que estabelecem as relações de poder. 

Ainda que sejam anti-heróis, na prática todas se alinham em uma luta contra esse inimigo em comum. Não é atoa que a primeira frase que sai da boca de O’Malley é “É negro o bastante para você?” ao se apresentar para o público que o aguarda, muito bem vestido com um terno cinza, que é mostrado assim que um de seus assistentes tiram dele uma bela capa preta, com um forro prateado, que reluz ao sol, como um rei.

Com um discurso político associado à imagem de bondade – endossada pelo cargo religioso -, Dek vende uma viagem de volta ao continente africano, para que aquelas pessoas possam se encontrar na ancestralidade. Encontramos aqui uma mensagem que dialoga com os movimentos da época que buscavam por meio das relações de diáspora resgatar a história roubada das origens dos descendentes africanos. Logo, ao longo de Rififi a população é movida por essa vontade de encontrar no passado sua devida importância. 

Cotton Comes to Harlem (1970) YIFY - Download Movie TORRENT - YTS
Rififi no Harlem (1970)

O filme se desenvolverá entre a busca pelo dinheiro roubado do povo enganado, que é roubado de Dek e se perde em um fardo de algodão. O fato de ser um fardo de algodão cru, também é um elemento que dialoga com a história do povo preto. Nos Estados Unidos a maior parte de concentração do uso da mão-de-obra escrava era em plantações de algodão. Ao fim do filme há a apresentação de uma peça musical, na qual a atriz de teatro performa sobre o fardo de algodão ao som de uma canção sobre liberdade. 

O “pulo do gato” em Rififi é que o até então golpista principal é ludibriado por uma outra personagem, que até então parece estar ali apenas como um dos elementos do povo. Como Dek se torna quase que parte do Homem, por ser consumido pela ganância e tentar trair seu povo, precisa de existir em cena elementos que lutem contra esse mal. Temos três elementos que representam bem essa resistência: os dois policiais, Gravedigger Jones (Godfreey Cambridge) e Coffin Ed. Johnson (Raymond St. Jacques) e Tio Bud (Redd Foxx). 

Os dois policiais desde o início estão no encalço de O’Malley, tentando provar que ele é um mentiroso. Eles são negros, tem um bom cargo na polícia e são vistos como grandes profissionais por seu superior. O que torna essa dupla tão especial é perceber a quantidade de ironia que é adicionada nas sequências em que estes dividem a cena com as personagens brancas. Contrariando a fórmula racista comum no cinema, eles são os mais fortes, os mais espertos, enquanto seu chefe é uma versão branca do Pai Tomás e seu colega de trabalho, o oficial Jarema (Dick Sabol) o malandro idiotizado que sofre humilhações e sempre se dá mal. 

Já o Tio Bud, esse é o grande espertalhão, que percebe o valor que há naquele fardo de algodão e dá seu jeitinho de despistar a todos, simular sua morte, e ir de volta para suas origens. Na cena de encerramento do longa, os policiais observam uma foto de Bud rodeado de três beldades negras, sendo tratado como um monarca, enquanto leem o bilhete no qual ele conta toda sua armação. 

Há ainda outros elementos que caracterizam os Blaxploitations como a violência, doses de nudez, volúpia sexual, exaltação das cores e formas, muitos elementos na composição dos ambientes que remetem à arte e cultura africana e, é claro, a trilha sonora assinada por um grande nome da música R&B. 

History of Richard Pryor, The Black Panthers, and Berkeley — Comedy History  101
Richard Pryor

O fim de uma era? 

Os filmes inicialmente atingiam tanto o público negro, militante ou não, quanto os brancos liberais/progressistas. Depois de um tempo os estúdios passam a impor suas ideias e os filmes ficam mais populares. Os filmes ficam mais pop e menos críticos. Em meados de 1970 acontece uma entressafra na qual a TV reduz a quantidade de atores negros em seu elenco. Consequentemente Hollywood faz o mesmo, pois sua recuperação estava acontecendo diante do sucesso dos filmes da contracultura.

O baixo retorno financeiro, ainda que parecesse muito para aqueles atores e envolvidos que não estavam acostumados, era pouco para os estúdios. Os filmes B foram se tornando escassos. 

Entretanto é inegável o quanto esse período favoreceu a população afro-americana. Primeiramente, sabemos o quanto a imagem é importante na formação do ser humano. Ao se ver identificado na tela, através de seus reflexos. E isso fomentou no público a busca pelos seus pares nos produtos que eles consumiam. 

Outro ponto importante é o fator emprego. Pessoas que não poderiam em condições “normais” nos anos 1970 fazer um filme passaram a ter acesso ao mercado. Ainda que sejam valores muito inferiores ao que os grandes estúdios ofereciam e arrecadavam na Era de Ouro, foi necessário para alavancar a carreira de nomes como Gordon Parks, Ossie Davis, Pam Grier e Richard Pryor. 

Black Panther (2018) - IMDb
Pantera Negra (2018)

O terceiro ponto que precisa ser apontado são os ecos que o Blaxploitation reverberam até hoje. Quando assistimos a filmes policiais com nomes do movimento hip-hop, nos esbaldamos de rir com as produções dos Irmãos Wayans ou nos colocamos em ponto de reflexão diante das obras de Spike Lee, estamos presenciando os efeitos que essa abertura trouxe para o cinema contemporâneo.

Estamos em 2021, cinco décadas depois do Blaxploitation, e sabemos o quanto o filme de herói Pantera Negra provocou comoção entre a população negra mundial. A partir desse fato recente conseguimos entender que ainda há um caminho a ser percorrido no que diz respeito à equidade da diversidade nas telas. O quanto ainda há carência de representação e de representatividade. E também o quanto essa representação, quando apresenta, movimenta discussões sobre as causas raciais. 

Sejam como super-heróis, badass women, justiceiros, ou pessoas comuns, vivendo o dia-a-dia não podemos esquecer o quanto aqueles destemidos anti-heroínas e anti-heróis dos anos 1970 criaram um forte alicerce para podermos existir no cinema …e resistir. 

Mas sabem qual é o maior de todos os ecos? O negro é lindo


Obras citadas:

No Calor da Noite (1967), Norman Jewinson; Adivinhe Quem Vem Para Jantar (1970), Stanley Kramer; A Noite em Que o Sol Brilhou (1970), Sweet Sweetback Baadasssss Song (1971), Melvin Van Peebles; O Chefão de Nova Iorque (1937), O Chefão de Nova Iorque; Rififi no Harlem (1970), Ossie Davis; Coffy (1973), Jack Hill; Blacula (1972), William Crain; Perdidos na Noite (1969), John Schlesinger; Desejo de Matar (1974), Michael Winner; Três Homens em Conflito (1968), Sergio Leone.


HOOKS, bell. O olhar opositivo. Disponível em <https://foradequadro.com/2017/05/26/o-olhar-opositivo-a-espectadora-negra-por-bell-hooks/> Último acesso em 09/01/2021

Back to Black: Foxy Brown and the Blaxploitation Era. Direção: Calum Waddel. Produção de Callum Waddell, Naomi holwill, Joe Venegas. Reino Unido: 2013. 

Blaxploitation: An Overview with Mikel J. Koven____ in Blaxploitation. Versátil Home Video. Brasil: 2017. 

Yasmine Evaristo

Artista visual, desenhista, eterna estudante. Feita de mau humor, memes e pelos de gatos, ama zumbis, filmes do Tarantino e bacon. Devota da santíssima Trindade Tarkovski-Kubrick-Lynch, sempre é corrompida por qualquer filme trash ou do Nicolas Cage.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *